terça-feira, 4 de abril de 2017

A Graça para os Desgraçados

Chorei diante do Eterno quando fui emboscado pela minha perversidade. Dou graças a Ele todos os dias por não me deixar sem essa simples percepção. Ó querido, Abba, não me deixe tornar-se um homem mal, sem consciência de que é necessária uma perseverança na peleja estrada estreita do amor. Sabe, fico confuso de quando em quando e logo sou consolado por esse amor divino. Quando pratico o que é mal e sei que desagrado o meu Criador, minha consciência me acusa, todavia isso é bom, é sinal que ela não está cauterizada e nem anda de mãos dada com o padrão de valores desse mundo. Então logo sou consolado pela condenação da minha consciência diante de meus atos, sim, isso mesmo sou consolado pela condenação da minha consciência, isso me permiti a ter acesso a dadiva do perdão, coisa essa que só quem ama conhece e mesmo eu não sabendo amar perfeitamente a conheço, imagine o nosso Abba Celestial. Por isso que me alegro quando sou emboscado por essa consciência gritante em meu íntimo. Ecoa sussurros dizendo: Pare filho meu.... Esse caminho não te levará ao Pai das luzes, você é uma luz, então brilhe e não se escureça.

Então eu choro e lamento quando sou mal, fico muito triste e confuso, pensando eu: porque ajo dessa maneira, e porque faço tais coisas e logo me arrependo profundamente e me lembro que fui criado para amar e espalhar o amor, não importa quantas vezes você erra, o que importa é quantas vezes você vai querer errar o mesmo erro. Não é sábio ficar se lamentando por causa de seu passado, querem uma prova da eterna benevolência do nosso Deus, aquEle Deus que se manifestou na revelação histórica de Jesus de Nazaré? Pois bem, recordo-me e consigo imaginar a cena no meu subconsciente como se estivesse lá, Jesus pregado em uma cruz agonizando ao lado de dois malfeitores, um o incitava indagando, salve-se a si mesmo já que é filho de Deus, faça alguma coisa ao ponto que o outro exclamava: Cale-se, será que nem mesmo diante da morte você teme a Deus, este homem não fez nada para merecer tal condenação, mas nós a merecemos, nossa condenação é justa, mas a desse homem é injusta. Então o maltrapilho diz a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu reino. E Jesus o responde: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso.... Somos aqueles homens errantes que reconhece nossa pecaminosidade e mesmo assim crer que Deus nos ama e que faz de tudo para nos salvar, ou somos aqueles homens que não confia na benevolência do nosso Criador e diz: já estou na merda mesmo, que se dane tudo, não quero mais saber de nada, Jesus nem se quer houve minhas orações. Quem somos nós no meio dessas duas alusões? Faça sua escolha, mas saiba que independente dela, temos um Deus-Abba furiosamente amoroso com suas criaturas, um amor Divino.

Enquanto escrevo essas palavras meus olhos enchem de lagrimas, mas não porque eu possa estar possuído por um ressentimento tenebroso de algo que fiz, mas sim pelo assombro de conhecer a minha maldade e mesmo assim, ter a certeza confiante de que sou amado por Deus, isso é simplesmente maravilhoso, Deus me ama sem ao menos eu merecer esse amor da parte dEle, mas mesmo assim ele sussurra, EU TE AMO FILHINHO.... Como obtive essa consciência diante do meu Abba, somente através de Cristo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário